domingo, 22 de setembro de 2013

O Massacre da Serra Elétrica 3D (2013)

Há duas semanas atrás tive um pequeno acidente e precisei ficar de molho em casa por alguns dias. Foi um ótimo momento para assistir alguns filmes que já estavam na minha lista há algum tempo, dentre eles o novo filme da franquia de Leatherface, que estreou este ano. Confesso que não tinha muitas expectativas em relação a este filme, apesar de ter gostado dos dois anteriores, lançados em 2003 (caramba, já fazem 10 anos do remake com a Jessica Biel!) e 2006. Acho que devido ao fato de o que havia sido mostrado até então nas primeiras imagens e trailers apontar para um argumento fraco no roteiro.

O pior é que minhas impressões estavam certas. Esse filme acabou se mostrando um grande caça niqueis com roteiro fraco repleto de furos. O início se mostra a melhor parte, onde nos créditos iniciais temos imagens remasterizadas do filme original de 1974 e olha que a imagem ficou ótima, em vez de fazerem um novo filme deveria ter apenas relançado o original remasterizado. Ganhariam muito mais dinheiro e entregariam um produto melhor aos fãs. Essa introdução já deixa evidente que ignoraram totalmente todo e qualquer filme lanado após o original, inclusive o remake e sua prequel, continuando a história de onde o original parou, a fuga de Sally na carroceria de uma pickup. 

Heather, quase 40 com corpinho de 20.
Após ser denunciada à polícia, a família de canibais se vê encurralada em casa, por policiais. Cabe destacar aqui o belo trabalho de direção de arte feito para reproduzir o cenário de filme original; a casa dos Sawyer está idêntica à vista no filme de 1974. Leatherface se encontra na casa, com a mesma máscara usada no primeiro filme também. Acontece que não demora para o filme desandar. Os Sawyers são massacrados e tem sua casa incendiada, então o tempo passa e passamos a acompanhar Heather, uma jovem que é prima de Leatherface, porém foi criada por um dos homens que mataram seus familiares e não sabe nada a respeito de sua origem. Aqui temos o primeiro grande furo no roteiro, já que os acontecimentos do original se deram na década de 70, Heather deveria ter pelo menos uns 38 anos, uma vez que o roteiro salta para os dias atuais (esse salto no tempo é facilmente constatado pelos iPhones que aparecem em algumas cenas do filme), só que ela é mostrada como uma jovem de no máximo uns 20 anos, linda e sensual como toda mocinha de filmes de terror com assassinos sanguinários deve ser.

Enfim, ela descobre que herdou uma casa no Texas, de sua avó que não sabia que tinha e resolve ir lá ver qual é. Fica sabendo de sua verdadeira família, mas não do passado aterrorizante que ela carrega. Empolgados com a casa enorme e luxuosa, o grupo resolve ficar por lá para festejar, sem saber que no porão vive Leatherface, que não demora a sair pra passear com sua amiga motosserra pra brincar com os amiguinhos de sua prima distante. 

A construção dos personagens é sofrível, não conseguimos nos envolver com nenhum deles ou sentir pena quando um deles é pego pelo assassino. Simplesmente não faz diferença. As mortes são outra coisa não empolgam, talvez até mesmo pela falta de empatia com os personagens. Não conseguimos torcer nem mesmo por Heather. No final, acabamos por torcer literalmente por Leatherface, que num reviravolta idiota do roteiro acaba se tornando vítima (!?).

Os atores dando o melhor de si.
Não quero falar muito aqui sobre o desfecho, para não estragar a "surpresa", mas basta de dizer que joga lama em todo o mito criado em tordo de Leatherface e insulta a inteligência dos fãs. Até poderiam fazer o argumento funcionar se tivessem respeitado o legado da franquia em vez de tentar criar um novo, além de trabalhar melhor os personagens e suas motivações; principalmente quanto a Heather. A garota vê seus amigos sendo fatiados pelos primo, mas fica com peninha dele depois pelo que aconteceu no passado!? Sem falar que ela própria por pouco não virou bife. Bom, ela não deve ser muito inteligente, afinal se pendura em uma cabine de roda gingante em movimento e dá uma volta completa, enquanto Leatherface espera lá embaixo com a serra ligada! Haja força e estupidez!

É uma pena que tenham feito um subproduto como esse para uma franquia tão querida quanto O Massacre da Serra Elétrica. Não conseguiu tirar ainda o título de pior filme da série do 4º filme, mas chegou bem perto. Como eu disse, era melhor terem relançado o original remasterizado em vez de manchar ainda mais a imagem de Leatherface, que já sofreu com algumas sequências deploráveis. Também acho lamentável que tenham jogado fora o trabalho que tiveram pra apresentar a franquia às novas gerações nos 2 filmes anteriores, que são de longe muito melhores do que este aqui. O Massacre da Serra Elétrica - O Início, por exemplo, apensar das críticas que recebeu, se preocupou em fazer um bom trabalho pra explicar algumas coisas do filme remake de 2003, bem como de criar algum interesse ou identificação do espectador com os personagens apresentados.

O Massacre da Serra Elétrica 3D é um filme que merece ser totalmente ignorado não linha do tempo da franquia. Apesar de ter se vendido com sequencia oficial do filme de 1974, não merece tal título. Quanto ao 3D, não posso opinar, já que não vi o filme nesse formato, mas não perca tempo com isso, já que não compensa o ingresso mais caro pelo filme em si.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Parabéns, Jason!


Hoje é sexta-feira 13 e eu não poderia deixar de escrever aqui, nesta data que é tão especial. É considerado o dia de azar em muitas culturas, mas quem curte cinema sabe que esse dia é especial porque é o dia em que o Jason sai, de onde quer que ele se esconda no resto do ano, pra matar adolescentes que deram o azar de ir à Cristal Lake justo nessa data (pensando assim até que o título de dia do azar faz sentido).

O primeiro filme da séria Sexta-feira 13 foi lançado em 9 de maio de 1980 (infelizmente não foi numa sexta-feira 13, mas quem se importa?), após o sucesso de dois outros filmes com ícones do terror: O Massacre da Serra Elétrica (1974) e Halloween (1978). Como todo fã de terror deve saber, Jason aparece muito pouco nesse filme, apenas como criança na introdução do enredo, quem mata mesmo a molecada aqui é a mãe dele que está surtada e sedenta de vingança contra os adolescentes tarados que deixaram seu filhinho precioso se afogar. 

O bacana é que o filme nos faz pensar que Jason de fato voltou dos mortos e está matando aquelas pessoas. Uma atmosfera de suspense é criada, com o grupo que visita Crystal Lake contando a lenda do garoto deformado que se afogou nas águas do lago. Só no final ocorre a grande revelação e a Sra. Voorhees acaba decapitada. Jason só aparece mesmo no segundo filme e mesmo assim ainda nem usa a máscara de hockey que virou sua marca. Esta ele só consegue no 3º filme, após matar um gordinho mala que usava a máscara pra pregar peça nos amigos. 

A série teve um total de 12 filmes, contando com o crossover Freddy vs. Jason e o Remake de 2009, além de muitos outros produtos derivados, como game e série de TV. Como muita gente, considero o primeiro e o segundo filmes os melhores da série, contudo tenho um carinho especial pelas partes 3, 6 e 7, que foram as que mais assisti na minha infância. Curti muito a parte 7 pelo fato de o Jason finalmente ser combatido por alguém que não era totalmente indefeso. E era sempre divertido observar, a cada novo filme, a criatividade dos roteiristas para conseguir ressuscitar Jason mais uma vez. O ápice foi sem dúvida na 9º parte com toda aquela coisa dele possuir o corpo das outras pessoas; uma bobagem sem fim, mas tenho que admitir que os caras se superaram.

Considero que o remake de 2009 na verdade nem se trata exatamente de um remake, já que apresenta outros personagens e outro contexto. É apenas um filme pra apresentar Jason à nova geração de forma menos avacalhada do que os últimos filmes (Jason X e Freddy vs. Jason) estavam fazendo. Não odiei o filme como muita gente na internet, pelo contrário, acho que até que ele cumpre bem seu papel, apesar de ser bem mediano. Não é o melhor remake surgido nos últimos anos, mas também não é o pior (esse eu título é sem dúvida de Halloween II, do Rob Zombie).

Pra comemorar esta data, vou começar a assistir novamente os filmes da série num exercício pra relembrar os detalhes de cada um e comentar aqui. É interessante fazer esse tipo de coisa, já que muita coisa que dava arrepios e tirava o sono na infância agora fazem rir. E vocês, o que acham? Quais os seus filmes favoritos da série? Quais os que menos gostam? Comentem.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

O Apocalipse

Navegando hoje pelo Google+, me deparei com este vídeo postado em uma comunidade sobre filmes de terror. É um curta exibido pela primeira vez no festival de Sundance, muito bem executado e dirigido, que retrata um apocalipse inusitado, onde ter ideias não é uma boa ideia. Divirtam-se.



Segue a ficha técnica do filme, retirada da descrição no Youtube:

www.thisistheapocalypse.com

Estrelando: Martin Starr, Ella Rae Peck, Kate Sheil, Ben Pike, Chanel Michaels, Duke Dlouhy

Com: Marc Smerling, John Williams, Christopher Ford, Airon Armstrong, Aaron Caiazza, Flag The Bird and Dave Jacobson The Dog

Produção Executiva: John & Sandy "Mom & Dad" Zuchero, Emily Wiedemann, Nick Kadner
Produzido por Alicia Van Couvering & Emily Wiedemann 
Fotografia por David Jacobson
Editado por Zac Stuart-Pontier
Elenco por Eve Battaglia
Música por Saunder Jurriaans & Daniel Bensi
Efeitos Especiais por David Hohusen
Som por Jonathan Schenke 
Cor por Sal Malfitano